Web2.0 ajuda as lojas online menores

escrito por Thiago, Wednesday, April 22nd, 2009 8:39 am  2 comentários até agora  Deixe seu comentário

Porque compramos em uma determinada loja online? Existem vários fatores, porque a conhecemos, porque o preço esta mais baixo, porque a entrega é mais rápida, porque pareceu confiável e muitos outros porquês.

Hoje temos quase 50 milhões de internautas e somente uns 12 milhões compram pela internet, a maioria não compra por não sentir segurança e uma grande parcela dos que compram o fazem com grandes empresas como Americanas, Submarino, Magazine Luiza, Ponto Frio… por acreditar que estarão mais seguras caso algo aconteça.

Mas com o advento da Web 2.0 isso esta mudando, o famoso e mais forte meio de credibilidade das empresas esta ficando mais forte no mundo online o maravilhoso “BOCA A BOCA”. As pessoas estão cada vez mais participando do conteúdo online, o que antes era produzido por poucos, agora é produzido por quase todos.

Você pode opinar sobre um produto dentro da própria loja, escrever sobre a loja em comunidades, blogs ou sites de opinião e indicar produtos e lojas e o mais legal é que as pessoas já descobriram isso e estão utilizando isso antes de realizar suas compras.

O resultado disso é que as grandes empresas começam a perder seu grandioso espaço para as milhares de lojas menores e tudo começa ser como deve ser em um setor mais sólido, assim como no mercado físico onde as grandes lojas detêm a minoria do faturamento nacional.

Veja a comprovação disso em artigo abaixo escrito pelo E-bit.

Aumenta a participação das pequenas no e-commerce

As pequenas e médias empresas estão conquistando mais espaço no comércio eletrônico. Segundo pequisa da e-bit, empresa especializada em e-commerce, enquanto os dez maiores varejistas do mercado nacional perderam 3,2% de participação nesse mercado, os pequenos e médios registraram um crescimento de 6%, se comparados os resultados do quarto trimestre de 2007 e 2008. A entidade considera a mudança como um sinal da descentralização das lojas no montante de vendas online. Pedro Guasti, diretor-geral da e-bit, explica que o menor custo para implantação e divulgação de uma loja virtual aliado à maior oferta de ferramentas e fornecedores especializados em e-commerce são os principais responsáveis para a descentralização do comércio eletrônico. ‘É possível encontrar dispositivos para segurança, crédito, propaganda online, logística e pós-venda com custos acessíveis, o que garante uma presença mais democrática das lojas’, afimou.

Oportunidades

Além disso, o consumidor deixou de se guiar somente por grifes e lojas de marcas reconhecidas e passou a buscar as melhores ofertas e condições de venda por meio da informação disponível em sites de busca, comparação de preços e conteúdo colaborativo (Web 2.0).

A e-bit estima que, apesar de ainda pequena, a descentralização do comércio online pode ser uma tendência, abrindo espaço e oportunidades para as pequenas e médias empresas investirem nesse setor.

Em 2008, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 8,2 bilhões, registrando um aumento de 30% em relação ao ano anterior.

Categorias:

Futuro, Negócios, wb4b

Relacionados:

Submarino.com.br

2 comentários sobre “Web2.0 ajuda as lojas online menores”

  1. pablo canano escreveu:

    A teoria da calda longa esta aí para defender essa afirmativa. Cade vez mais, mais nichos serão atendidos. Imagino isso pq hoje um projeto de comércio eletronico é bem atendido por empresas que tem plataformas prontas, que atendem bem no quesitio arquitetura da informaçao, e trazem um modelo mental já aprovado pelo usuário. Então o custo de desenvolvimento e o tempo caem, sendo possivel para o pequenos ter uma loja no padrão das grandes.

  2. Silva escreveu:

    É bem verdade, com a constante evolução de software de gestão de lojas gratuito cada vez mais é possível os pequenos comerciantes apresentarem um espaço capaz de rivalizar com as melhores lojas online até agora só possíveis com grandes orçamentos.

Deixe sua opinião:

Submarino.com.br

Explore o E-commerce Brasil